Clínica de Vacinas

Clínica de Vacinas

A Clínica de Imunização tem como objetivo proteger o paciente das doenças que podem ser evitadas com a vacinação. O foco da nossa clínica são os pacientes adolescentes, adultos e idosos.

A procedência e a conservação das vacinas é prioridade na clínica. Sendo oferecidas as vacinas sugeridas pela SBIM (Sociedade Brasileira de Imunologia).

A SBIM recomenda as vacinas abaixo descritas:

– Gripe

A gripe é causada pelo vírus influenza, sendo que há vários tipos:

Influenza A, Influenza B, Influenza C e Influenza D.

É transmissível através das secreções respiratórias e também pelo contato com superfícies contaminadas.

A apresentação clínica usual é febre alta, dor de cabeça, mialgia (dor muscular), tosse, coriza e mal estar. Em alguns casos pode estar associado dor abdominal, náuseas e vômitos.

Pode haver complicações como otite e pneumonia.

A vacina é a melhor forma de prevenção tendo uma efetividade que chega a 90 %. A vacinação consegue reduzir o risco das complicações como pneumonia e hospitalizações.

Dependendo da virulência das cepas circulantes, o número de hospitalizações e mortes aumenta. Como as cepas mudam esta vacina necessita ser feita anualmente, sendo indicada principalmente para os grupos de risco

A Campanha Nacional de Imunização, ocorre anualmente, sendo essencial na prevenção.

Reações adversas: dor, endurecimento local, com duração de até dois dias, podendo estar associados febre, mal estar, mialgia.

– PNEUMONIA

Chama-se doença pneumocócica a infecção ocasionada pelo Streptococcus pneumoniae. É transmitido de pessoa a pessoa através de contato. Todos os pacientes com alteração do sistema imunológico são mais propensos as doenças pneumocócicas. Estas infecções podem se apresentar de diversas formas|: otite média, sinusite, conjuntivite, pneumonia, empiema, ou doenças mais graves, como peritonite, meningite e raramente osteomielite, pericardite entre outras.

Os pacientes com DPOC bem como portadores de outras doenças crônicas são mais predispostos a essas infecções.

Há um efeito aditivo das vacinas, o que significa que a associação das vacinas da gripe e da pneumonia diminui o risco de doenças graves, como também o risco de hospitalizações e morte.

A vacina para pneumonia deve ser feita em todos os pacientes acima de 60 anos e é indicada em outras faixas etárias nos pacientes com doenças crônicas.

Tipos de vacinas para pneumonia:

– Vacinas conjugadas – existe a VPC 10 (cepas mais encontradas na infância) e a VPC13 (no adulto)

– Vacina polissacarídica – Pneumo 23: induz uma resposta imunológica com menor duração de atividade, necessitando de doses adicionais a cada 5 anos.

Reações adversas: dor, vermelhidão local, irritabilidade, astenia, cefaléia, calafrios. Em menor número de casos febre e dor muscular.

Sintomas esses que melhoram em 3 dias.

– COQUELUCHE

A vacina para coqueluche chama-se DTPA (tríplice bacteriana acelular).

A coqueluche é altamente contagiosa, o contágio ocorre entre pessoas por meio das secreções. Os bebês adquirem a coqueluche pelo contato com irmãos, pais que podem nem saber que estão com a doença.

É uma causa de tosse crônica em adultos, cerca de 8 % dos casos.

O principal sintoma é a tosse que se apresentada em crises intensas, incontroláveis, que levam a dificuldade respiratória. Após a tosse pode ocorrer chiado na inspiração (que é característico da doença). Essa tosse pode persistir por mais de 4 semanas, o que leva o médico a pensar no diagnóstico. Afeta pessoas de todas as idades podendo levar a morte. Principalmente nos bebês, sendo que estes podem ter pneumonia, e outras complicações como crises convulsivas.

Os pacientes com doença respiratória prévia, tendem a apresentar um quadro geralmente mais grave com maior risco de fratura de arcos costais, podendo ocorrer pneumotórax.

A vacina protege contra a coqueluche, não leva a imunidade permanente, sendo necessária o reforço no decorrer da vida.

As modificações das cepas da Bordetella pertussis, são responsáveis pelas epidemias atuais.

Reações adversas: dor, vermelhidão local.

– Herpes Zoster

A infecção do herpes – zoster é causada pelo vírus da varicela , o mesmo da catapora. Os primeiros sinais são dor, ardência, e coceira nas regiões dos nervos afetados que na maior parte das vezes estão no tórax, rosto e abdome, mas podem atingir outras partes do corpo.

O tratamento do herpes quando mais precoce é mais eficaz.

Pode ocorrer por acometimento nervoso dores crônicas o que chamamos de neuralgia pós – herpética, que pode durar semanas ou anos.

O herpes ocorre pela reativação do vírus da catapora, ou seja todos que já tiveram catapora podem ter herpes zoster. Os mais suscetíveis são as crianças e os idosos.

A vacina Zostavax tem indicação de ser realizada a partir dos 50 anos de idade.

A eficácia da vacina é em torno de 70%

Esta vacina não deve ser usada em pacientes com imunossupressão.

Efeitos adversos: dor, vermelhidão local, febre baixa e dores no corpo.

Outras infecções que são preveníveis por vacinação

– Haemophilus influenzae do tipo b

É causador de meningite, sepse, pneumonia entre outras doenças. Os pacientes imunossuprimidos são mais predispostos.

A vacina faz parte do calendário básico do Programa Nacional de Imunizações para crianças entre 2 e 6 meses.

É uma vacina inativada e com altamente imunogênica.

– Varicela, Sarampo, caxumba e rubéola

É uma vacina atenuada. Ela é recomendada para crianças em substituição a tríplice viral.

A catapora ou varicela, sarampo, caxumba e rubéola são muito comuns na infância, sendo doenças infecto- contagiosas O quadro clínico geralmente é leve mas pode ser grave, principalmente nos imunossuprimidos.

A vacina é composta de vírus atenuado e está disponível na rede pública e privada, para crianças de 15 meses de idade.

A vacina tetra viral é segura, tem 97 % de eficácia. A vacina é disponibilizada, evitando casos graves, internações, e a eliminação de doenças como sarampo, caxumba e rubéola.

Reações adversas: erupção cutânea, febre baixa, dor local

Febre Amarela

A febre amarela ocasiona morte em 50% dos casos, tende a ser mais grave em crianças e idosos.

Há relatos da forma urbana na Bolívia e Paraguai.

A vacina é composta de vírus atenuado e oferece proteção prolongada.

Meningite

A doença meningocócica em geral é grave, tendo uma mortalidade que pode chegar a 20%. Ocorre em todas as idades, mas no nosso País é mais frequente abaixo dos 5 anos.

A Meningite tem uma classificação em sorotipos. A, B, C Y, X e W.

Estas vacinas são contra indicadas em imunossuprimidos

Existe vacina para os diferentes sorotipos.

HPV

O HPV é o papilomavírus humano, é um vírus que atinge as mucosas, oral e genital em ambos os sexos, provocando verrugas e câncer. Esta é uma infecção sexualmente transmissível (IST)

A vacina é a medida mais eficaz de prevenção. Mas a vacina não é tratamento para as pessoas que já tenham lesões por HPV.

Muito importante a transmissão do HPV é sexual mas o uso de preservativos não é suficiente para prevenção, já que é transmitido pelo contato pele com pele infectada.

Estudos indicam que 25 a 30% dos adolescentes no primeiro ano de iniciação sexual já apresentam HPV.

Existem 2 vacinas no Brasil: a HPV 6,11,16,18 para meninos e meninas, jovens de 9 a 26 anos de idade e a HPV 16,19 para mulheres a partir dos 9 anos, sem idade superior limite.

Essas vacinas são contra indicadas em imunossuprimidos

Poliomielite

A poliomielite é uma doença infecciosa, com um risco importante de complicações como formas de paralisia, imunodeficiências.

2020-06-25T14:06:40+00:00

ATENÇÃO

A clínica está com seu atendimento normal, só pedimos que liguem antes ou via Whatsapp para marcar a consulta.

(54) 9 9199.8508